AL desiste de aumentar combustível para socorrer Saúde em MT

postado em: Notícias | 0

Eduardo Botelho afirma que existem alternativas para

Estado conseguir “dinheiro novo”

botelhosantacasa.jpg

O deputado estadual Eduardo Botelho (PSB) afirmou que desistiu da proposta de elevar em R$ 0,105 o litro do combustível no Estado, após o aumento determinado pelo presidente da República, Michel Temer (PMDB), em todo o País. No entanto, ele declarou itens de outros setores poderão ter aumento no Estado, na tentativa de buscar o “dinheiro novo”.

A medida que poderia determinar o aumento de R$ 0,105 no combustível em Mato Grosso era defendida por Botelho. Para o parlamentar, esta seria uma das alternativas para encontrar o “dinheiro novo” que o Estado tem buscado para socorrer setores que enfrentam dificuldades e precisam ser ajudados com urgência, entre eles a saúde. Apoiadores da ideia acreditavam que a medida pode trazer mais R$ 300 milhões aos cofres públicos.

Na semana passada, Michel Temer determinou aumento no combustível em todo o País, que ocasionou alta de, aproximadamente, R$ 0,41 por litro de gasolina e de R$ 0,21 por litro de óleo diesel. A elevação nos produtos, em nível nacional, acabou fazendo com que a proposta estadual não prosperasse.

O deputado Eduardo Botelho comentou sobre a medida que pretendia elevar o preço do óleo diesel em Mato Grosso. “Essa proposta, nós tínhamos feito, na verdade, eram R$ 0,105 por litro de diesel, somente. Isso resolveria. Mas aí veio o Temer e entrou com essa que aumentou, praticamente, R$ 0,40 por litro de todos os combustíveis. Isso inviabilizou a nossa proposta para a saúde”, disse, na manhã desta quarta-feira (2), em entrevista à rádio Capital FM.

Apesar de desistir de elevar os custos estaduais do diesel, o parlamentar afirmou que aliados ao governador Pedro Taques (PSDB) têm debatido novas alternativas para o “dinheiro novo”. Eles analisam a possibilidade de cobrar mais impostos em outros itens, que ainda não foram definidos.

“Nós temos que, agora, reunir, discutir e estudar uma outra proposta, para que tenha esse dinheiro novo para a saúde. Mas não nos combustíveis, porque não há mais condições de um aumento grande como esse e ainda colocarmos mais valor em cima do diesel. Então, essa proposta realmente foi por água abaixo”, relatou.

 

Fonte: FOLHAMAX

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 16 =