Taques e Pinheiro não chegam a acordo

postado em: Notícias | 0

emanuel-taques.jpg

A bancada federal de Mato Grosso não chegou a um acordo com o governador Pedro Taques (PSDB) e o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB), para definir a divisão dos R$ 126 milhões em emenda coletiva para Saúde de Mato Grosso. Após duas longas reuniões nos dois últimos dias, a definição final ficará entre Pinheiro e o chefe da Casa Civil, Max Russi.

“A reunião não definiu nada. Porém, ficou acertado que o prefeito Emanuel Pinheiro e o secretário Max Russi se reunirem para finalizar essa situação. Mas estamos caminhando para um acordo que vai contemplar todo mundo”, disse o líder da bancada, deputado federal Victório Galli (PSC).

O grande impasse estava por conta de que o prefeito insiste que o dinheiro seja aplicado na compra dos equipamentos do novo pronto-socorro. Já o governador quer o recurso para bancar as dívidas que o Estado tem com hospitais do interior.

No entanto, o entendimento que vem ganhando força é de que R$ 50 milhões seja destinados para a compra de equipamentos para o novo Pronto Socorro com inauguração prevista para abril de 2018.

Outros R$ 50 milhões ficarão com o governo Pedro Taques para que seja aplicado no custeio da saúde pública do Estado, para amenizar os atrasos nos repasses aos municípios.

Como contrapartida o governo do Estado deverá realizar um convênio com a Prefeitura de Cuiabá no valor de R$ 32 milhões. Com isso, Emanuel poderá dispor dos R$ 82 milhões que alega serem necessários para aquisição dos equipamentos no novo Pronto Socorro.

Emanuel Pinheiro e Max Russi (PSB) deverão se reunir na próxima semana para definir o processo licitatório para adquirir os equipamentos do novo Pronto Socorro e consolidar o valor necessário para a operação.

Outro ponto definido ficou que os R$ 26 milhões restantes das emendas serão destinados para regularização fundiária. Neste caso, os recursos serão remanejados para o Governo do Estado e a Prefeitura de Cuiabá caso o Incra não consiga empenhá-los até 15 de dezembro. A demanda partiu do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB).

Além do governador, do prefeito e do chefe da Casa Civil, participaram da reunião o coordenador da bancada Victório Galli (PSC), os deputados federais Valtenir Pereira (PSB), Ezequiel Fonseca (PP), Fabio Garcia (sem partido), Nilson Leitão (PSDB), Ságuas Moraes (PT) e Xuxu Dal Molin (PSC), que assumiu a vaga do licenciado Adilton Sachetti (sem partido). Os senadores Wellington Fagundes (PR) e José Medeiros (Podemos) e Cidinho Santos (PR) também participaram da reunião.

FONTE: FOLHAMAX

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 1 =