organizam protesto em frente à Santa Casa para a reabertura da UTI pediátrica

postado em: Notícias | 0
Foto: Reprodução / TVCA
​Familiares e profissionais da saúde organizam protesto em frente à Santa Casa para a reabertura da UTI pediátrica

Mães, profissionais da saúde, familiares de pessoas internadas e representantes da sociedade se organizam para a realização de protestos em frente à Santa Casa de Rondonópolis, contra o fechamento da UTI pediátrica do hospital. Na última terça-feira (14) cerca de 100 pessoas se reuniram na manifestação e mais uma está sendo organizada para a próxima terça (21). A UTI foi fechada oficialmente na última segunda-feira (13).

Leia mais:
Enfermeiras choram por fechamento de UTI e Governo repassa R$ 30 mi à Saúde; veja vídeo

Uma das manifestantes, Daniela Barêa, teve seu filho prematuro atendido na unidade. Ao Olhar Direto ela contou que estão montando um grupo para que a manifestação aconteça todas as semanas, para despertar a sociedade para a situação.

“Começou com uma contando com a outra, mas estamos montando um grupo de organizadores do movimento. Meu filho nasceu prematuro, e na época eu coloquei muita coisa nas redes sociais e deu muita repercussão. Ele ficou internado naquela UTI na época, antes da reinauguração. Eu fiz um vídeo pedindo para as pessoas irem à manifestação, mas a chuva atrapalhou. Fizemos terça feira agora e vamos fazer todas as terças. Ainda está sendo organizado, por nós mesmas. Nós queremos despertar a sociedade para a reabertura da UTI”, disse Daniela.

Cerca de 100 pessoas participaram desta primeira manifestação, que ocorreu por votla das 18h30. Estiveram presentes no protesto, além das mães de crianças internadas, conselheiros tutelares, profissionais da saúde, movimentos de igrejas, professores e pais e pessoas que estão solidárias a causa.

Daniela conta que estão revoltados porque a UTI pediátrica era bem equipada e prestava um bom atendimento às crianças de Rondonópolis.

“Terem inaugurado a unidade foi uma conquista aqui para a cidade. Foi ampliada a UTI neonatal, porque muitas crianças não tinham acesso ao leito, porque eram poucos para a demanda e com o aumento ficou muito mais equipado, a prestação de serviços ficou com uma tecnologia mais avançada. A revolta é que já tem tudo aqui e por falta do repasse governamental os profissionais, os médicos voltaram para suas cidades”.

Rondonópolis não conta com médicos especializado em UTI pediátrica e os profissionais que lá trabalhavam vieram de outros Estados.

“Os médicos vieram de fora porque aqui não tem especialistas em UTI pediátrica. Então eles vêm, ficam uma semana e depois vem outro de outro Estado. Eles retornaram para as suas cidades e romperam com a Santa casa pelo fato de não ter dinheiro, ficaram acho que quatro meses sem receber e a revolta do povo é essa. Porque agora não é só pagar este pessoal, é recontratar outros profissionais que, principalmente, não só venham trabalhar aqui, mas que a credibilidade do hospital faça com que fiquem. Então o impasse é maior do que a gente pensa. Porque o que adianta tentar contratar se as pessoas sabendo da situação, não venham por medo de não conseguirem que o Governo cumpra com o que prometeu na questão salarial? A demanda é não só reabrir a UTI, mas manter”, disse Daniela.

Outro lado

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que concluiu na última sexta-feira (10) o pagamento dos R$ 30 milhões repassados pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) na última semana. Desse total, parte foi destinada para o pagamento do mês de junho para a atenção básica para os 141 municípios (serviços de assistência farmacêutica, regionalização e PAICI).

De acordo com a Secretaria, os hospitais filantrópicos já receberam o repasse de outubro, referente à segunda parcela da ajuda financeira voluntária emergencial feita pelo Governo do Estado, no valor total de R$ 2.500.009,00. Esse valor é distribuído entre os seguintes hospitais: Santa Casa de Rondonópolis – R$ 337.865,55; Santa Casa de Cuiabá – R$ 659.327,89; Hospital Geral Universitário (Cuiabá) – R$ 691.636,67; Hospital de Câncer de Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 348.241,48; e Hospital Santa Helena (Cuiabá) – R$ 465.937,41.

A SES também disse que a Sefaz prometeu na semana passada o repasse de mais R$ 20 milhões para a Saúde, mas que o valor ainda não foi repassado. A Secretaria afirmou que a emenda impositiva da bancada federal no valor de R$ 126 milhões deve ajudar a melhorar a situação.

A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) se manifestou apenas dizendo que “na sexta-feira terá uma reunião com o governador para tratar sobre os recursos da saúde”.

FONTE: OLHARDIRETO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − cinco =