Ambulatório deve ser 1° setor a funcionar

postado em: Notícias | 0

hmc.jpgA Prefeitura de Cuiabá irá estabelecer um novo cronograma de funcionamento dos diferentes setores do novo Hospital Municipal (HMC) Dr. Leony Palma de Carvalho, que fica no bairro Ribeirão do Lipa. A decisão foi anunciada pelo prefeito Emanuel Pinheiro, em uma transmissão ao vivo por meio do Facebook, na noite da última quarta-feira (06). Na oportunidade, Pinheiro informou que a juíza Célia Regina Vidotti, da Vara da Ação Civil Pública e Ação Popular, liberou 100% o funcionamento do HMC.

“Essa decisão coroa uma luta enorme que estou tendo há dois anos desde que recebi a prefeitura e a unidade com apenas 27% das obras. Era apenas um esqueleto a céu aberto”, comemorou Pinheiro. “Pensa num cara feliz, não só por mim como prefeito, mas feliz em nome de cerca de 500 mil cuiabanos que não têm plano de saúde, que dependem da saúde pública, que dependem do sistema SUS”, acrescentou. A expectativa é de que a ala ambulatorial seja a primeira a ser colocada à disposição dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com a decisão, a justiça também autorizou a contratação temporária de servidores para o hospital, onde irá funcionar o novo pronto-socorro da capital. “A contratação deverá ser procedida de processo seletivo simplificado, que deverá obedecer estritamente aos princípios da publicidade, legalidade, impessoalidade e moralidade”, diz a magistrada. O complexo hospitalar está com 96% das obras físicas concluídas e com grande parte do mobiliário instalado.

Além disso, Vidotti desobrigou a prefeitura a realizar a relotação imediata dos servidores que atualmente estão lotados no atual pronto-socorro. Ainda foi determinado que em até 60 dias, a prefeitura formalize a criação de cargos ou empregos públicos, com suas respectivas atribuições, remunerações e plano de carreira para prover o lotacionograma do HMC. A administração municipal terá 240 dias para a realização de concurso público.

Ainda durante a transmissão ao vivo, o prefeito lembrou que o novo hospital foi inaugurado em 28 de dezembro de 2018 e que conseguiu incluir a obra no programa “Chave de Ouro”, obtendo recursos da ordem de R$ 100 milhões do Governo Federal, ainda sob a presidência de Michel Temer (MDB), para conclusão da obra física e aquisição dos equipamentos. Contudo, Vidotti havia concedido liminar proibindo a prefeitura de transferir os serviços de saúde da atual unidade, que no Centro, para o novo prédio até que fosse apresentado Plano Diretor do Modelo de Gestão a ser implantado no local. De lá para cá, a juíza já conheceu in loco a obra ao lado do prefeito.

“Apesar de ter ficado com o coração partido tive que respeitar a decisão por que decisão judicial não se discute se cumpre. Mas, manifestei e apresentei todas as razões devidamente documentadas da prefeitura e, agora, depois de quase 45 dias, foi feita justiça”, afirmou. “A juíza Célia Vidotti atendeu o nosso pedido e vamos poder colocar em pleno funcionamento essa que é a maior unidade hospitalar de Mato Grosso e a maior obra dos 300 anos de Cuiabá”, completou.

O novo cronograma deve ser apresentado na próxima segunda-feira (11). Em dezembro, a época da inauguração, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) havia informado que o funcionamento começaria pela ala ambulatorial que conta com recepção, sala de aplicação de injetáveis, sala de curativos e consultórios. No setor, entre as especialidades previstas, estão cardiologia, ginecologia e obstetrícia, endocrinologia, gastroenterologia, dermatologia, psiquiatria, clínica geral, além de pequenas cirurgias.

Já as outras etapas seriam entregues gradativamente até o aniversário de Cuiabá em abril deste ano. Entre elas, as enfermarias, contendo farmácia, duas enfermarias masculinas com 60 leitos e um isolamento, uma enfermaria feminina com 30 leitos e um isolamento, sala de raios-X e sala de ultrassonografia. Também há a ala de urgência e emergência, duas alas de terapia intensiva (UTIs) com 20 leitos e duas salas de cirurgia, além de mais três UTIs com 40 leitos ao todo e mais duas salas de cirurgia.

FONTE: FOLHAMAX

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − um =