Vereador não descarta pedir dados sobre “Operação Sangria”

postado em: Notícias | 0
Recém-nomeado presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Santa Casa de Cuiabá, o vereador Marcos Veloso, afirmou em entrevista na quarta-feira (08) ao Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real, que irá pedir informações aos órgãos que já investigam a saúde na Capital, não descartando inclusive, solicitar as provas e resultados de perícias da Operação Sangria, que investigou fraudes em licitações no município e Estado.

Com dificuldade para ter acesso aos relatórios da Santa Casa, mesmo antes da requisição administrativa do governo, o vereador afirma que a CPI irá buscar outras fontes de informações sobre o trabalho e pagamentos da instituição.

“Nós estamos buscando o que chamamos de ‘prova emprestada’, de algumas investigações que existem e estão mais adiantadas no estado. Pode ser Operação Sangria também”, esclarece Veloso.

Além das provas e depoimentos da CPI dos Hospitais Filantrópicos, que desencadeou a CPI da Santa Casa, a Câmara de Vereadores também irá solicitar documentos a órgãos do Estado. “Nós vamos buscar em outros locais algumas informações. Órgãos federais, estaduais. A Controladoria Geral do Estado tem um relatório muito bem elaborado sobre a saúde do estado e existe algo pertinente aos filantrópicos”.

Um dos fatores que tem atrasado o andamento da CPI é a dificuldade de acesso à documentação e contabilidade da Santa Casa. “Fizemos encaminhamentos à Santa Casa pedindo informações, na então gestão Sabóia, que nos respondeu que necessitaria de um prazo de 30 dias para que nos fosse encaminhado toda a documentação solicitada, o que dificulta o início dos trabalhos, mas não impede”.

Segundo o presidente da CPI, a ideia é agilizar o começo dos trabalhos da Comissão, que tem como objetivo investigar não só o começo da atual dívida da Santa Casa, que ultrapassa os R$ 100 milhões, como também identificar os responsáveis pelo aumento dos débitos.

“Eu montei uma estratégia, junto com meus colegas para que funcione a CPI. Vamos buscar dados, analisar e utilizar informações nas oitivas. Porque o nosso foco é trazer ao sol do meio dia, na Cuiabá dos 300 anos, a verdade sobre o que aconteceu na Santa Casa”, alega o delegado.

FONTE: FOLHAMAX

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 20 =